Diagonal Design

Diagonal Design Blog | d.blog - a Diagonal diz coisas

Tag escolhida: metro

Dumb Ways to Valentine

Dizem que o dia dos Namorados é um momento para compartilhar o seu coração com alguém especial:

YouTube Preview Image

Dumb Ways to Die

Uma adorável (e macabra) campanha de segurança sobre morte no Metro.

YouTube Preview Image

Dumb ways to die

 

Dar música no metro com o iPhone

Telefonar, navegar na Internet, ver o email, ouvir música ou ler o jornal. Estas são algumas das funções habituais do iPhone, mas a banda nova-iorquina Atomic Tom quis levar mais a sério o lema “há uma aplicação para isso”, usado pela Apple. Veja o vídeo

YouTube Preview Image_

Alegando que os seus instrumentos foram roubados, os Atomic Tom substituiram as guitarras por aplicações de telemóvel e transformaram-se numa “banda do iPhone”.

Apenas com os telefones, a banda sentou-se no metro de Nova Iorque para dar música aos passageiros. Não é a primeira vez que se faz música com o “smartphone” da Apple, mas os passageiros do Comboio B, que se dirigia para Brooklyn, ficaram com mais uma história para contar sobre a “cidade que nunca dorme”.

Os músicos usaram várias aplicações diferentes (para voz, guitarra, baixo, bateria e piano) e aproveitaram para promover a sua música “Take me out”.

A manobra de propaganda da banda foi filmada, como não podia deixar de ser, com três iPhones.

Stop and Hear the Music.

YouTube Preview Image
São 7:51 de sexta-feira, hora de ponta matinal, um indivíduo desce na L’Enfant Plaza, estação de metro do centro federal de  Washington, encosta-se à  parede próximo entrada, tira o violino da caixa e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que passa. Durante os 45 minutos que tocou, foi praticamente ignorado pelos transeuntes, ninguém sabia, mas o músico era Joshua Bell, um dos maiores violinistas do mundo, interpretou peças musicais consagradas num instrumento raríssimo, um Stradivarius de 1713, estimado em mais de 3 milhões de dólares. Alguns dias antes Bell tinha tocado no Symphony Hall de Boston, onde os melhores lugares custam 1000 dólares.
A experiência, gravada em ví­deo, mostra homens e mulheres de andar rápido, copo de café na mão, telemóvel ao ouvido, indiferentes ao som do violino. A iniciativa realizada pelo jornal The Washington Post pretendia lançar um debate sobre valor, contexto e arte. Bell era uma obra de arte sem moldura. Um artefato de luxo sem etiqueta de glamour. Somente uma mulher reconheceu a música…